Já Assistimos: 1917 (2019)


 
    Na Primeira Guerra Mundial, dois soldados britânicos recebem ordens aparentemente impossíveis de cumprir. Em uma corrida contra o tempo, eles precisam atravessar o território inimigo e entregar uma mensagem que pode mudar o rumo da guerra.     


** ANÁLISE SEM SPOILERS **


    1917 é um filme lançado em 2019 sob a direção de Sam Mendes e traz a proposta de ser todo construído em plano-sequência. Essa não é uma ideia nova no cinema, mas é curioso como algo "repetido" consegue deixar o público instigado.

    O longa conta com uma história relativamente simples. Dois oficiais, Blake e Schofield, interpretados respectivamente por Dean-Charles Chapman e George MacKay, recebem ordens de entregar uma mensagem para o front do exército britânico que está preparando um ataque às tropas alemães que haviam recuado. O alto-comando acredita que o recuo das tropas inimigas é uma armadilha e por isso a mensagem deve ser entregue de forma urgente, caso contrário mais de 1.600 homens morrerão. É a mesma fórmula de ação que já conhecemos: uma missão que é praticamente impossível e personagens prontos para se tornarem herois. 

    Quando os dois soldados partem para cumprir o que devem, é que o plano-sequência brilha. A câmera está sempre trazendo os espectadores para mais perto da ação e é impossível não notar o quão bem trabalhado o filme é. Não é a toa que ganhou diversas premiações por conta da sua cinematografia (uma sonora salva de palmas para Roger Deakins pelo excelente trabalho). Nomes como Benedict Cumberbatch, Richard Madden e Andrew Scott, tem rápida aparição mas ainda assim, são eficazes. 


    
O problema é que o plano-sequência e os efeitos especiais não são tudo. Para nós, quando um filme acaba ficando conhecido mais por aspectos técnicos do que por sua história, isso quer dizer algo. Mesmo que a atuação 
dos dois atores principais convença, e eles estão realmente muito bem, fica a sensação de que o lado emocional poderia ser mais explorado. São dois homens correndo por um campo de batalha que não parecem se chocar com a aniquilação ao seu redor. É um filme de guerra muito autêntico e bem produzido, mas, ainda assim, tudo parece organizado demais (como se nada pudesse estar fora do lugar), quase beirando o artificial. 

    O longa não é desinteressante, existem muitas cenas impecáveis que vão nos impactar, entretanto, quando chegamos no final, sentimos que assistimos uma sequência de truques e nada mais. Esse ponto em específico nos incomodou, mas pode ser que não seja um problema para você. 



Plataforma onde assistimos: Google Filmes


Nota Cinema a Dois: Bom


Confira o trailer:





    Por aqui, esperávamos mais aprofundamento na história. E aí, já assistiu a 1917? Comenta aqui embaixo a sua opinião!

Comentários

Postagens mais visitadas