Já Assistimos: O 3º Andar - Terror na Rua Malasaña (2020)

 

    Devido a uma crise financeira, uma família deixa sua casa no interior e se muda para a cidade a fim de conseguir o dinheiro para pagar suas dívidas. Se eles achavam que isso era o início de um sonho, na verdade estava prestes a começar seu maior pesadelo.


 ** ANÁLISE SEM SPOILERS **


    O 3º Andar - Terror na Rua Malasana, ou Malasana 32, é um filme de horror sobrenatural espanhol dirigido por Albert Pintó.

    Nele acompanhamos Amparo, interpretada por Begona Vargas, se mudando para Madri com a sua família, após o seu padrasto e sua mãe, interpretados respetivamente por Iván Marcos e Bea Segura, tentam sua última ficha para conseguir sanar todas as suas dívidas financeiras. Como o filme se passa na década de 1970, é dito por Manolo, o padrasto, que a mudança será algo bom pois "Madri é o futuro", e como eles vinham do interior, morar na cidade grande era a única esperança de mais dinheiro. Amparo e seus irmãos Pepe e Rafael, papeis de Sergio Castellanos e Iván Renedo, não estão muito felizes com a mudança, mas a aceitam já que não se tinha muito o que fazer.

    Os problemas nesse longa-metragem começam logo na cena introdutória onde vemos duas crianças brincando nas escadas do prédio quando a bola de gude de um deles cai de frente para uma porta de um apartamento no terceiro andar. O uso de uma trilha sonora muito alta e jumpscares já é exagerado nesse momento e durante o resto da produção só piora. Amanda e eu não somos fãs desses tipos de métodos para causar tensão em filmes de horror. Enquanto você pode causar medo a partir de um roteiro bem construído, Pintó opta por abusar de sustos baratos até mesmo entre transições de cenas nas quais nada de assustador ou sobrenatural está acontecendo. Durante o filme, Amanda e eu nos pegamos levando sustos com uma porta fechando, um pião de brinquedo rodando, entre outras mais coisas idiotas e que nada acrescentam à história. A primeira impressão que tivemos em O 3º Andar não foi a melhor e só continuou piorando conforme os minutos passavam.

    Enquanto os sustos desnecessários só fizeram com que a qualidade do longa caísse, as atuações não comprometem em nada e entregam tudo o que a produção pede. Não são espetaculares, mas estão longe de serem ruins. 

    Muitas coisas não fazem sentido nessa obra como o papel do avô Fermín, interpretado por José Luis de Madariaga que assim que chega ao apartamento começa a agir suspeito como se soubesse de algo ou em outros momentos em que o roteiro nos faz pensar que ele está possuído pelo espírito que está assombrando a família. É também mostrado que o avô tem algum tipo de doença ou síndrome que provavelmente afeta a fala dele (imagino isso porque ele não fala uma sílaba sequer durante todo o filme), mas nunca é explicado o que ele tem e o porquê dele ser e agir todo suspeito durante toda a película.

    Outro personagem que não faz a menor falta durante toda a história é o Pepe. Ele não tem um arco de desenvolvimento nem é realmente útil para que a narrativa aconteça. E, para ser sincero, talvez seja até injusto eu pontuar isso sobre o Pepe porque, na verdade, nenhum personagem tem um desenvolvimento nessa narrativa. O filme simplesmente nos mostra eles sendo assombrados e tendo de lidar com isso, mas não retrata nenhum tipo de mudança de caráter ou perspectiva por parte dos integrantes da família.

    Algo também muito negativo para Terror na Rua Malasana é o fato de que todos os "tipos" de direção - a direão "comum", mas também a de arte e fotografia - aqui são genéricos e sem personalidade. Parecia mais que estávamos assistindo a um filme feito por um James Wan do Paraguai (neste caso específico, um James Wan da Espanha).

    Os efeitos especiais não são os melhores, mas em meio a tantos problemas, eles foram a última coisa que incomodaram. Está presente no longa Javier Botet, ator espanhol que possui a Síndrome de Marfan, que é uma doença genética no tecido conjuntivo resultando em dedos, braços e pernas muito magros e esguios e também uma hipermobilidade das articulações. Por conta dessa sua característica, Botet já interpretou diversos monstros e criaturas no cinema, como: a Mama, do filme homônimo, o mendigo leproso em It: A Coisa, a Amanda Medeiros em REC, entre outros papéis. Em Terror na Rua Malasana ele interpreta a antiga moradora do apartamento onde a família de Amparo vive que assombra todos que entram em contato com aquele local.

    Como esta é uma resenha sem spoilers, não vamos mencionar a explicação no final para o motivo das assombrações, mas a opinião minha e de Amanda é que o motivo é muito forçado e sem noção. Sim, o melhor jeito para descrever isso é dizendo "sem noção", talvez até desrespeitoso.

    Infelizmente este é um filme que você, apreciador de cinema de horror, vai assistir e esquecer assim que sair da sessão.


Plataforma onde assistimos: Cinema


Nota Cinema a Dois: Muito Ruim


Confira o trailer:




    Por aqui achamos o filme muito ruim e cheio de incongruências. Mas e aí, já assistiu a O 3º Andar - Terror na Rua Malasana? Fala para a gente a sua opinião!

Comentários

Postagens mais visitadas